Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e Tecnologia
Portal do Estado de Sergipe
ITPS vai apoiar cooperativa de Canindé de São Francisco na elaboração do Manual de Boas Práticas de Fabricação
 
As ações, que atendem aos requisitos exigidos pela legislação vigente, também promoverão a segurança alimentar e a manutenção e a geração de emprego e renda na região
 
O projeto Redetec Sergipe faz parte do Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec)O Instituto Tecnológico e de Pesquisas do Estado de Sergipe (ITPS) vai auxiliar a Cooperativa de Produção Agroindustrial e Comercialização do Estado de Sergipe (Copac), localizada em Canindé de São Francisco, na elaboração e implantação do Manual de Boas Práticas de Fabricação.  O documento, que abrange os procedimentos necessários à produção do alimento seguro, também é um dos requisitos para comercialização de produtos alimentícios dentro e fora do estado.
 
As atividades de assistência tecnológica fazem parte do projeto Rede de Extensão Tecnológica (Redetec), que é executado pelo ITPS em parceria com o Sergipe Parque Tecnológico (Sergipetec), gestor financeiro do projeto.  As ações, que serão desenvolvidas pelo Projeto Redetec junto à Copac, atenderão aos requisitos exigidos pela legislação vigente, e também promoverão a segurança alimentar e a melhoria da qualidade do produto, possibilitando a manutenção e a geração de emprego e renda na região.
 
A Copac, que está localizada no assentamento Alto Bonito/Jacaré Curituba, tem 11 funcionários e atua na produção de macaxeira a vácuo e bolinhos bacia. A empresa fornece produtos para Aracaju, Nossa Senhora da Glória, Nossa Senhora do Socorro e Porto da Folha. Além do apoio na implantação e capacitação dos cooperadores nas Boas Práticas de Fabricação, o ITPS vai fazer ensaios para verificar qualidade da água utilizada no processo de produção dos alimentos e o controle de qualidade analítico dos produtos.
 
“A adesão ao projeto pela Copac, e de outras empresas do ramo de alimentos do interior de Sergipe, representa a interiorização do projeto Redetec, cujo objetivo principal é preparar as empresas para ingressar no mercado, respeitando as exigências dos órgãos fiscalizadores, promover a competitividade dos empreendimentos e gerar emprego e renda no campo”, comenta o diretor-presidente do ITPS, Kaká Andrade.
 
De acordo com Sueli Andrade, que é extensionista do projeto Redetec, a estimativa é que os trabalhos junto à Copac durem aproximadamente seis meses. “Com a adesão ao projeto, faremos um diagnóstico para identificar os pontos fortes e as oportunidades de melhoria da empresa, e também orientar quanto às práticas sanitárias e controle de qualidade dos produtos. Essas orientações envolvem diversas questões, entre elas, a potabilidade da água, análises dos produtos, higienização dos equipamentos e das instalações, controle de pragas e vetores, saúde do trabalhador e recebimento de matéria prima”, explica.
 
Sobre o Redetec
 
O projeto Redetec Sergipe faz parte do Sistema Brasileiro de Tecnologia (Sibratec). Os recursos são oriundos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) e repassados pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). Também há uma contrapartida financeira do Governo de Sergipe por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sergipetec).
 
O projeto oferta atendimento tecnológico às empresas sergipanas no setor de alimentos, confecção/têxtil e cerâmico/moveleiro. Os atendimentos envolvem as modalidades ‘Adequação para Mercado Interno’, ‘Adequação para o Mercado Externo’ e ‘Gestão da Produção’.
 
As atividades de extensão tecnológica são desenvolvidas por uma equipe de extensionistas coordenados tecnicamente pelo ITPS (executor técnico principal do programa). Até o momento, já foram realizadas visitas e prospecções em aproximadamente 87 empresas. Atualmente, 44 empresas, sendo 32 do setor de alimentos, estão em processo de atendimento.
 
O objetivo é solucionar gargalos tecnológicos das micro, pequenas e médias empresas, promovendo melhorias significativas em produtos e processos, e também estimulando ações voltadas à segurança alimentar e preservação do meio ambiente.
 
Por Verlane Estácio